Saúde e Bem Estar

Entenda os riscos da terapia hormonal para ganho de massa sem acompanhamento médico

Terapia hormonal com testosterona e anabolizantes são utilizados visando o ganho de massa muscular e a melhora do desempenho esportivo. No entanto, o uso dos produtos sem a prescrição e o acompanhamento médico pode ser perigoso para a saúde.

Uma resolução recente do Conselho Federal de Medicina (CFM) proibiu a prescrição médica de terapia hormonal e anabolizantes com finalidade puramente estética. A medida mantém a permissão da indicação a pacientes com diagnóstico comprovado da falta do hormônio no organismo e o quadro clínico compatível com a utilização desse tipo de tratamento.

De acordo com o conselho, a norma destaca a inexistência de estudos clínicos de boa qualidade metodológica que demonstrem a magnitude dos riscos em homens e em mulheres, além da ausência de comprovação científica da necessidade da terapia hormonal com testosterona para a mulher.

Importância da testosterona

A testosterona é um hormônio produzido nos testículos e nas glândulas suprarrenais, com efeitos para o corpo inteiro do homem. Ela ajuda a produzir proteínas e é essencial para o comportamento sexual normal e para as ereções. Além disso, afeta diversas atividades metabólicas, como produção de células do sangue na medula óssea, formação do osso, metabolismo de lipídios e de carboidratos, função dos rins e crescimento da próstata.

Em mulheres, a testosterona está presente em baixas quantidades sendo associada à regulação biológica e ao processo de reprodução.

A terapia de reposição de testosterona a partir de compostos sintéticos é indicada para indivíduos com sinais de baixa do hormônio, o chamado hipogonadismo, com confirmação laboratorial.

O diagnóstico de hipogonadismo masculino requer a presença de sintomas clínicos como libido baixa, disfunção erétil e fadiga, além da dosagem de testosterona realizada no mínimo em duas ocasiões no período da manhã na ausência de doenças agudas ou graves.

“Os derivados de testosterona surgiram e devem ser utilizados para o tratamento de problemas de saúde devidamente diagnosticados, segundo parâmetros clínicos e métodos complementares. Quando o médico assistente pensa em prescrever terapia de testosterona, ele leva em consideração uma série de fatores – presença de contraindicações, dose, via de administração, intervalo das doses, etc., com o intuito de melhorar a qualidade de vida de seus pacientes ao mesmo tempo que minimiza a chance dos efeitos colaterais possíveis”, afirma o médico urologista Dimas Lemos Antunes, em comunicado.

Compostos sintéticos

Compostos sintéticos com base em testosterona ou que induzem aumento do hormônio, como os anabolizantes, são utilizados a partir de prescrição médica para o aumento de massa muscular em casos específicos, como explica o cardiologista Leandro Costa, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

“A suplementação de hormônios como a testosterona se dá primordialmente naqueles indivíduos que têm falta desse hormônio por falta de produção endógena, do próprio organismo. Há falta e necessidade de complementação. Uma segunda indicação é para indivíduos que estão em caquexia, com muito baixo peso, o que acontece bastante em pacientes com câncer ou que estão com terapia intensiva. Nesses casos, os medicamentos são utilizados para o aumento de massa muscular”, diz Costa.

No entanto, os medicamentos também são utilizados erroneamente como um atalho para ganho de massa muscular a partir da administração de forma injetável intramuscular, via oral e através de gel transdérmico. A prática sem orientação médica tende a ser feita em doses exageradas ou intervalos curtos, chamados ciclos, o que pode levar a uma sobrecarga no organismo.

Entre os efeitos adversos estão problemas cardiovasculares, incluindo hipertrofia cardíaca, hipertensão arterial e infarto agudo do miocárdio. O uso incorreto também pode favorecer a formação de placas e obstrução das artérias, aumentar a coagulação do sangue e a formação de tromboses.

Para além dos impactos cardíacos, o uso de testosterona e anabolizantes pode provocar doenças nos rins, como hepatite medicamentosa, insuficiência hepática e câncer, aumento de acne, queda de cabelo, e retenção de líquido no organismo.

Os indivíduos podem apresentar ainda transtornos mentais e de comportamento, como depressão, dependência e alucinações, além de impactos endócrinos associados a quadros de infertilidade, disfunção erétil e diminuição de libido.

“Além dos efeitos colaterais relacionados ao sistema cardiovascular, como infarto cardíaco e acidente vascular cerebral, existem riscos urológicos associados ao uso inapropriado de anabolizantes, principalmente infertilidade, disfunção erétil, aumento das mamas e diminuição dos testículos. Esses efeitos geralmente são transitórios, geralmente 6 a 18 meses, mas podem demorar até anos e existem relatos de efeito permanente”, diz Antunes.

O especialista explica que o mecanismo que leva à disfunção erétil e infertilidade pelo uso de anabolizantes é basicamente o mesmo.

“Para produzir a testosterona e fabricar os espermatozoides, os testículos recebem uma ‘ordem’ através dos hormônios produzidos pela glândula-mestra localizada no cérebro – a hipófise. Acontece que, ao receber a testosterona externa, a nossa hipófise passa a entender que não precisa mais mandar os sinais de ordem para os testículos produzirem testosterona e espermatozoides”, detalha.

Mesmo com a interrupção do uso dos anabolizantes, uma vez que não há mais ordem da hipófise, os testículos continuam sem trabalhar, levando o homem a disfunção erétil e infertilidade. Com o passar dos meses, esse processo pode ir se revertendo de forma espontânea ou com a ajuda de medicações prescritas pelo médico.

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) alerta que no caso das mulheres, o uso de anabolizantes pode gerar características masculinas no corpo, como engrossamento da voz e surgimento de pelos além do normal. Além disso, aumento do tamanho do clitóris, irregularidade ou interrupção das menstruações, diminuição dos seios e aumento de apetite.

De acordo com a SBEM, para adolescentes, as consequências podem ser ainda mais graves. O uso pode comprometer o crescimento, levar à maturação óssea acelerada, aumento da frequência e duração das ereções, desenvolvimento sexual precoce e aumento de pelos púbicos e do corpo.

Uso de testosterona e anabolizantes pode provocar doenças nos rins, como hepatite medicamentosa, insuficiência hepática e câncer / Liudmila Chernetska/Getty Images

Riscos de uso de produtos falsificados

Em março, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a apreensão e a proibição da comercialização, distribuição e uso de unidades falsificadas dos medicamentos Deca-Durabolin e Durateston.

De acordo com a Anvisa, a medida foi tomada após a agência ser informada pela empresa Aspen Pharma sobre a circulação, no mercado brasileiro, de unidades falsificadas dos medicamentos. Atualmente, ambos os medicamentos estão devidamente registrados no país em nome da Aspen Pharma.

Durateston é indicado no tratamento de reposição de testosterona em homens portadores de condições associadas com hipogonadismo primário e secundário (tanto congênito quanto adquirido), quando houver confirmação de deficiência de testosterona por características clínicas e testes bioquímicos. Já Deca-Durabolin pertence ao grupo de medicamentos conhecidos como esteroides anabolizantes e ajuda a reconstruir os tecidos que se tornaram fracos por causa de uma doença crônica ou danos graves.

“Durateston é um medicamento injetável do grupo dos anabolizantes, usado para a reposição da testosterona, mas só é seguro o uso quando há devida indicação. É utilizado de forma indiscriminada por alguns atletas para melhora de performance, mesmo sendo rastreada em exames antidoping. O uso é aprovado para idosos com baixa massa muscular, em casos de perda óssea importante, no tratamento de anemia citotóxica, entre outras”, explica a médica nutróloga Ana Luisa Vilela.

A especialista explica que o medicamento Deca Durabolin, cujo princípio ativo é o decanoato de nandrolona, é indicado para pessoas que não produzem hormônio suficiente por motivos específicos.

“O uso exagerado pode acarretar em bloqueio dos eixos hormonais, sobrecarga de fígado e rins, aumento do risco de câncer, como o de próstata, queda de cabelo, aumento da oleosidade da pele, entre outros efeitos colaterais. É uma forma sintética que ao ser injetada é metabolizada pelo fígado, podendo levar o órgão a sobrecarga”, alerta.

Além disso, os especialistas apontam os riscos da utilização de produtos que podem ser falsificados. “Medicamentos de origem duvidosa principalmente esteroides e anabolizantes podem ser altamente tóxicos, podendo causar infinitos problemas a saúde, pois não sabemos exatamente a formulação desses compostos nem mesmo se a nandrolona estará presente”, diz Ana.

“Só pela falsificação já é algo que não se sabe a procedência e qual vai ser a reação dessa substância no organismo das pessoas. Se já é complexo o uso com produtos de fato originais, isso aumenta a chance de problemas quando vem de origem falsificada”, complementa Costa.

Alimentação saudável
Alimentação equilibrada favorece o ganho de massa muscular de maneira saudável / Getty Images

Como ganhar massa muscular de maneira saudável

O professor e preparador físico Marcio Atalla detalha como é possível ganhar massa muscular de maneira saudável a partir de atividade física e alimentação adequada.

“A recomendação é fazer um treino de força, chamado resistivo, em que se pode escolher entre musculação, funcional e crossfit, que são atividades que vão propor ganho de massa muscular. O ideal é cerca de cinco vezes por semana, podendo variar entre 3 e 4 vezes por semana”, explica.

De acordo com o preparador físico, a alimentação deve ser voltada ao consumo de uma dieta equilibrada com a valorização de proteínas. O consumo deve ser fracionado ao longo do dia, entre café da manhã, almoço, jantar e lanches.

“Você tem que aliar a atividade física a um consumo de proteína, que seja de 1,5 a 2 gramas de proteína por quilo de peso corporal. Imaginando uma pessoa de 70 quilos, que ela faça um consumo aproximado de 110 a 140 gramas de proteína. Esse consumo deve ser fracionado ao longo do dia, visto que nosso corpo tem uma capacidade limitada de absorção de proteína por refeição”, afirma.

Related Articles

Leave a Reply

Back to top button