Arte e Cultura

Meio ambiente cobra o que foi tomado dele, diz Fávaro

Foram três anos de seca e três enchentes em curto espaço de tempo no Rio Grande do Sul. É o meio ambiente cobrando o que foi tomado da natureza, afirma o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, em entrevista à coluna Vaivém das Commotities, que está completando 35 anos.

A repetitividade desses acontecimentos elimina qualquer chance de negacionismo sobre as crises climáticas. E o clima, segundo ele, é o principal ativo dos produtores. A partir de agora, é evitar o pior, diz o ministro.

Voltando no tempo, Fávaro relembra a fase difícil para os produtores nas novas fronteiras agrícolas na década de 1980. Sem financiamento e sem custeio, o setor enfrentava uma infraestrutura precária no Centro-Oeste.

A situação era agravada ainda mais pelos planos econômicos, com congelamento de preços e importações de alimentos. Para o ministro, não há mais espaço para isso atualmente.

A presença brasileira no comércio internacional é consistente, e o país tem capacidade de participar ainda mais do fornecimento de alimentos para o mundo apenas com a substituição de áreas de pastagens degradadas pelo plantio de grãos.

Sobre a força que o setor agropecuário exerce no Congresso, Fávaro, senador licenciado, diz que, quando voltar ao Senado, assim como já faz como ministro, terá um olhar para os problemas contemporâneos.

O Brasil vive um período de fortes enchentes e secas. Como o sr. vê isso?

Certamente estamos em uma crise climática. O meio ambiente está cobrando o que foi tomado dele. Veja o Rio Grande do Sul que, após três anos de seca, agora teve três enchentes em um curto período.

Mas muitos ainda não acreditam nessa crise.

Os fatos acabam com o discurso negacionista. Já tivemos outras ocorrências, como a enchente de 1941 no Rio Grande do Sul, mas a periodicidade desses acontecimentos acaba com negacionismo.

Se nada for feito, serão fatos repetitivos?

Não temos mais como negar. Precisamos agir rapidamente para estancar essas mudanças. Não tenho capacidade científica para dizer isso, mas não sei se é possível voltar atrás depois do que já fizemos. Precisamos agir para não complicar ainda mais a situação.

Isso não deveria ser uma preocupação do próprio produtor?

Sim, o clima é nosso principal ativo. Não adianta nada termos equipamentos, ciência e sementes de última geração se vivermos em um deserto.

As forças representativas no Congresso parecem não estar muito preocupadas. O Senado amenizou a participação do setor no plano de mudanças climáticas nesta quarta-feira (15).

Sou senador licenciado e posso reassumir ou voltar para votar. Quero olhar à frente de meu tempo e assumir responsabilidades com consciência de que esse ativo é nosso. Como ministro, quero ser reconhecido como quem tem um olhar nos problemas contemporâneos.

Como vai o relacionamento com o Ministério do Meio Ambiente?

Temos divergências, mas estamos indo de mãos dadas. Não é porque a União Europeia cobra que temos de preservar. Preservamos porque temos de cuidar de nossos ativos.

Quais as divergências?

Tenho minhas posições, e as divergências são levadas para arbitragem na AGU (Advocacia-Geral da União), que tem a competência para avaliar conforme a regra. Por exemplo, o banimento dos pesticidas. Não posso simplesmente banir e precarizar a produção. Quero tempo para migrar para produtos mais sustentáveis, como biológicos, biodegradáveis e seletivos.

Como o governo pode ajudar nessa transição?

Premiar quem faz o certo. Os outros 2% (percentual estimado pelo Meio Ambiente de quem desmata e faz grilagem de terra) são casos de Polícia Federal, Ministério da Justiça e Ibama.

Qual a responsabilidade da mão humana nessas catástrofes?

Agora, evitar a piora. O Brasil tem esse potencial por meio dos combustíveis renováveis, aplicação do Código Florestal e adoção de boas práticas de produção.

Boas práticas?

Fazer um perfil do solo de 40 centímetros com calcário, fertilizantes e muita matéria orgânica. O solo vai suportar mais a seca e absorver mais a água. Fatos comprovam que quem faz isso obtém 20% a mais de produtividade. É a bomba d’água da produção.

Está na hora de mudanças no Código Florestal?

Já passamos dos dez anos e acho que sempre é bom repensar alguns pontos.

Quais as políticas previstas para o Rio Grande do Sul, após essa devastação provocada pela crise climática?

Baixando as águas, o Ministério da Agricultura será transferido para o estado e se instalará, interinamente, em várias regiões. Não sei a fórmula, mas teremos de reestruturar tudo. Repensar o poder público no processo de continuidade.

A coluna Vaivém das Commodities está completando 35 anos, como era a agropecuária naqueles anos?

Minha família tinha mudado para Mato Grosso poucos anos antes desta data. A Zélia Cardoso, ministra da Economia de Fernando Collor, dizia que acima do Paralelo 13 não era propicio para agropecuária e cortou todas as linhas de financiamento e de custeio. Momentos difíceis para quem estava nas regiões de Nova Mutum, Sinop e Rio Verde.

Em 1989, o país produzia 71 milhões de toneladas de grãos. No ano passado chegou a 320 milhões. A que se deve isso?

Logo após a Segunda Guerra Mundial, cada país buscou sua vocação. Uns, como Japão e Coreia do Sul, optaram pela tecnologia, outros, como o Brasil, encontraram sua vocação na produção de alimentos. A Embrapa foi essencial nessa evolução. Além disso, a criação da CTNBio e a regulamentação dos transgênicos no primeiro governo Lula, em 2003, deu novo impulso ao setor.

Há quatro décadas importava-se alimento e havia controle de preços.

Isso não deverá ocorrer nunca mais. Achamos a nossa vocação e com um mínimo de apoio da gestão pública, o setor seguirá entre os grandes produtores e fornecedores mundiais. Até no trigo o país será um exportador com a tropicalização do cereal.

Qual deve ser a presença do governo?

É importante, mas não para intervencionismo e regulação de mercado. Em junho de 2023, a saca de milho estava abaixo do custo de produção, e o governo adquiriu apenas 370 mil toneladas. Ao garantir preço mínimo, dá um sinal ao mercado.

É o caso do arroz?

Sim, a importação não é para afrontar o produtor, mas para dizer ao especulador que o governo tem mecanismos para garantir estabilidade.

(Após a entrevista, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) suspendeu o leilão de compra de arroz importado marcado para esta terça (21). A operação buscava limitar os impactos nos preços após as enchentes no Rio Grande do Sul. A estatal não informou a razão da suspensão e disse que a nova data do leilão será publicada oportunamente).

O que permitiu evolução tão grande da produtividade nas últimas décadas?

Ciência e tecnologia, principalmente com a presença do poder público nas pesquisas, o que permitiu a revolução no cerrado.

Quais os gargalos daquele período?

O que mais inviabilizava a produção era a logística. Estradas ruins, custo elevados do transporte e preços baixos.

Quanto a incorporação de terra pela agropecuária afetou o meio ambiente?

Não há contrassenso entre produzir e preservar, mas poderia ter havido uma orientação mais assertiva com a presença do Estado.

A liderança brasileira no mercado internacional é consistente?

É muito consistente, e o Brasil não precisa mais de supressão vegetal para ampliar sua presença. Nenhum lugar do mundo tem capacidade de ampliar essa liderança com tanto volume e tanto espaço como nós. São 80 milhões de hectares de áreas de pastagem degradadas que podem ser incorporadas para grãos.

Como enfrentar as barreiras comerciais com relação a questões ambientais?

Precisamos de pouco ajuste em termos ambientais. A ministra Marina Silva diz que menos de 2% dos produtores brasileiros transgridem as leis. Pelo menos 98% têm boas práticas. Para os transgressores, todo o rigor da lei.

O acordo Mercosul-União Europeia é importante?

Queremos muito a formalização desse acordo. É bom para nós e para eles. Seremos mais competitivos vendendo nossos produtos para eles e eles para nós.

Mas parece um acordo cada vez mais difícil.

Não vamos ficar chorando. Podemos ampliar mercado com o Sul Global. China, Japão, Índia, outros países da Ásia, Oriente Médio e Brics. São regiões com potencial econômico e demanda.

As barreiras vão aumentar?

Vão tentar, mas elas são limitantes porque causam mal para eles mesmos. Por muito pouco que tentaram exigir dos produtores europeus, houve uma grande paralisação. Além disso, pesa na inflação.

Se o agro vai bem por que alguns setores não evoluem? O leite é um deles.

É uma atividade generalizada nos 5.572 municípios brasileiros, mas com uma disparidade tecnológica muito grande. É uma atividade que quem produz menos recebe menos, devido à logística.

O arroz e o feijão também estão na pauta de discussão. Não deveria haver uma política específica de médio e longo prazo?

Além do arroz, eu acrescentaria trigo e milho. No Plano Safra, vamos lançar contratos de opções regionalizados, com valor superior ao mínimo. Se o preço estiver acima, o produto vai para o mercado. Caso contrário pode formar estoques reguladores do governo.

O que vem de novas tecnologias pela frente?

É um desafio. A Embrapa não pode viver dos troféus que já ganhou. Ela tem de ter o espírito de nascer de novo. Precisamos de um modelo para ser levado ao Congresso para apoiar todas as esferas da empresa. Com milhares de patentes registradas, a Embrapa recebe apenas R$ 30 milhões de propriedade intelectual por ano, valor pago em royalties por ano por apenas um produtor de sementes.

Mas tem recursos?

A empresa não pode mais dizer que não tem recursos financeiros. Em março, na busca do déficit zero, os ministérios do Planejamento e da Fazenda bloquearam parte do orçamento, mas isso é momentâneo. A empresa não tinha dinheiro para investimentos, mas agora terá R$ 1 bilhão do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Quais os desafios da próxima década?

A logística é um dos principais. Só se fala no escoamento da produção dos 320 milhões de toneladas de grãos, mas a safra brasileira é muito maior. Supera 1 bilhão de toneladas quando acrescidos cana-de-açúcar, café e frutas. Se a safra crescer 5% ao ano, serão 50 milhões de toneladas a mais anualmente.


RAIO-X

Carlos Fávaro, 54

Produtor rural, senador licenciado e ministro da Agricultura e Pecuária. Foi vice-governador de Mato Grosso, vice-presidente da Aprosoja e dirigiu a associação no estado. Um dos principais interlocutores de Lula no setor durante a campanha presidencial de 2022.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Usamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Também compartilhamos informações sobre o uso do nosso site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise. View more
Cookies settings
Aceitar
Rejeitar
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active
Agradecemos por escolher o site Concurso Passei Direto. A sua privacidade é uma prioridade para nós. Esta Política de Privacidade explica como coletamos, usamos e protegemos as informações pessoais dos usuários do nosso site. Ao utilizar o Concurso Passei Direto, você concorda com os termos descritos nesta política.
  1. Informações Coletadas:
1.1. Informações Pessoais: Podemos coletar informações pessoais, como nome, endereço de e-mail, número de telefone, e outras informações relevantes quando você se cadastra ou interage com o nosso site. 1.2. Informações de Navegação: Coletamos dados não identificáveis, como endereço IP, tipo de navegador, provedor de serviços de Internet, páginas visitadas e horários de acesso. Essas informações são usadas para melhorar a experiência do usuário e administrar o site.
  1. Uso das Informações:
2.1. Melhoria do Serviço: Utilizamos as informações coletadas para melhorar nossos serviços, personalizar o conteúdo, e fornecer uma experiência mais eficiente e personalizada. 2.2. Comunicações: Podemos utilizar suas informações de contato para enviar comunicações sobre atualizações do site, novos recursos, ofertas especiais, ou outras informações que julgamos relevantes. 2.3. Cookies e Tecnologias Semelhantes: Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes para coletar informações sobre o seu comportamento de navegação no site, o que nos ajuda a personalizar o conteúdo e a melhorar a funcionalidade do site.
  1. Compartilhamento de Informações:
3.1. Parceiros e Fornecedores de Serviços: Podemos compartilhar suas informações com parceiros e fornecedores de serviços que nos auxiliam na operação do site e na prestação de serviços. 3.2. Requisitos Legais: Reservamo-nos o direito de divulgar suas informações pessoais conforme exigido por lei ou quando acreditarmos que tal divulgação é necessária para proteger nossos direitos legais.
  1. Segurança:
4.1. Medidas de Segurança: Implementamos medidas de segurança para proteger suas informações contra acesso não autorizado, alteração, divulgação ou destruição não autorizada.
  1. Seus Direitos:
5.1. Acesso e Atualização: Você tem o direito de acessar e atualizar suas informações pessoais a qualquer momento. Se desejar exercer esse direito, entre em contato conosco. 5.2. Cancelamento de Assinatura: Se não deseja mais receber comunicações nossas, forneça um meio de cancelar a assinatura nas comunicações ou entre em contato conosco para realizar essa solicitação.
  1. Menores de Idade:
O site Concurso Passei Direto não se destina a menores de 13 anos, e não coletamos intencionalmente informações de menores de idade. Se tomarmos conhecimento de que coletamos informações de um menor de idade, tomaremos medidas para remover essas informações.
  1. Alterações na Política de Privacidade:
Reservamo-nos o direito de atualizar esta Política de Privacidade a qualquer momento. Recomendamos que você reveja periodicamente as alterações. A continuação do uso do site após as alterações indica a sua aceitação dessas alterações.
  1. Contato:
Para quaisquer dúvidas, preocupações ou solicitações relacionadas à privacidade, entre em contato conosco através contato@concursopasseidireto.com.br. Ao utilizar o site Concurso Passei Direto, você concorda com os termos desta Política de Privacidade.  
Save settings
Cookies settings